O encantamento do livro-imagem

Grande parte das pessoas acredita que as ilustrações servem apenas para tornar palpável o que o texto diz. Nesse contexto, o livro-imagem seria uma mera obra para crianças que não sabem ler. Entretanto, é possível enxergar muito além.

Graças à ausência de palavras, cada leitor pode explorar melhor os detalhes dos traços, as cores utilizadas, a forma como os desenhos ocupam o espaço da página, entre outros aspectos. Além disso, de acordo com as experiências de cada pessoa, as figuras servem como ponto de partida para inúmeras leituras e podem proporcionar uma nova forma de ver a si mesmas.

“O livro-imagem está mais próximo do mundo das artes plásticas e do cinema do que da literatura. Cada imagem pode ser apreciada como parte de uma sequência, um frame de um filme, como uma pintura em uma parede de uma galeria”, descreve Renato Moriconi, escritor e ilustrador.

Se você quer estimular a criatividade de seu filho, confira algumas dicas de livro-imagem:

Bárbaro

De Renato Moriconi

Companhia das Letras

O livro conta a história de um bravo guerreiro, que, montado em seu cavalo, enfrenta monstros perigosos. Entretanto, no meio do caminho, o personagem para e começa a chorar. Aqui, o autor cria um jogo que mistura fantasia e realidade, contrapondo a visão da criança e do adulto.

Cântico dos Cânticos

De Angela Lago

Cosac Naify

O trabalho é uma releitura do livro bíblico homônimo, com tratamento gráfico de primeira. Seu grande diferencial é que pode ser lido em qualquer direção e alternando as histórias do homem e da mulher. Para construir esse poema visual, a autora se inspirou na estética do mundo árabe.

Um Dia, um Cão

De Gabrielle Vincent

Editora 34

Nesta obra, a autora explora as várias intensidades de linha e de tonalidade do grafite para contar as andanças de um cão abandonado em busca de um lugar no mundo. O branco da página pode ser entendido como campo, praia, estrada, entre outros cenários, o que garante a poesia dessa narrativa linear.

Fonte: Educar para Crescer